terça-feira, 24 de novembro de 2009

Escolhas

Quando nos olhamos no espelho.
Quando sozinhos refletimos.
Como nos vemos?
Como é para o Senhor nossa imagem espiritual?
Temos nos esforçado?
Em que mundo estamos semeando?
Para qual senhor estamos dando lucro?
Somos agentes da paz de Deus?
Entender que o Espírito é Santo, e que não pode conviver
com alguém que deliberadamente age a favor do inimigo.
Loucura?
Relaxo?
A loucura tem o atenuante de não ser norteada pela razão.
O relaxo tem o agravante de poder escolher, mas adapta sua escolha.
Nosso comportamento deve ser definido pelas palavras de Jesus.
Desejar ao próximo o que desejo para mim.
Desculpas dizem: Todo mundo peca!
Deus não justifica atitudes contumazes de pecado.
Não podemos burlar a Graça.
A placa de retorno à frente, nos da a oportunidade de
mudarmos o caminho errado que havíamos pego.
Confie na Graça, mas não abuse dela!
Na conversão ocorre o milagre do início da mudança, e a nova vida
deve nos impulsionar no sentido crescente da santificação.
A Graça é maravilhosa, mas as obras escrevem a nossa história.
Obedecer a Deus é lutar contra o assédio do pecado.
A luta do Espírito contra a carne provocará em nós sentimentos antagônicos.
Não poderemos decidir como vamos nos sentir.
Mas podemos decidir como vamos nos comportar.
Escolhas para mim.
Escolhas para você.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Louvai ao Deus Eterno! Sl 148

Aleluia!
Louvai ao Senhor todos os que estão nos céus.
Louvai-o nas alturas.
Louvai-o todos os seus anjos.
Louvai-o todos os exércitos celestiais.
Louvai-o sol e lua.
Louvai-o todas as estrelas brilhantes.
Louvai-o céus dos céus.
Louvai-o as águas que estão acima dos céus.
Que todos louvem o nome do Deus Eterno.
Pois Ele deu ordem e foram criados.
Ele mandou e foram firmados para sempre,
fixou-lhes uma ordem que não passará.
Louvem ao Senhor os que estão na terra,
seres marinhos e todas as profundezas do oceano.
Louvem o Eterno relâmpagos e chuva de pedra, neve e nuvens,
ventos fortes que obedecem à Sua ordem.
Louvem a Deus colinas e montanhas, florestas,
e árvores que dão frutas.
Louvem ao Senhor todos os animais, mansos e selvagens.
Louvem ao Eterno passarinhos e répteis.
Louvem a Deus reis e todos os povos, príncipes e
todos os juízes da terra.
Louvem ao Eterno moços e moças, velhos e crianças.
Todos louvem o nome do Deus Eterno, porque o Seu nome
é maior do que todos os outros.
Ele exalta o poder do Seu povo, o louvor de todos
os seus santos, dos filhos de Israel, a quem Ele ama.
Aleluia!
Louvem ao Deus Eterno!
.
.
.
Louvo ao meu Senhor e declaro o meu amor.
Ao Deus meu Criador, e agora Salvador.
Aleluia!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Que daremos?

O que daremos a nosso Deus?
Nossa aparência maravilhosa?
Nossas idéias, nossa ajuda?
Nossos maravilhosos conhecimentos acadêmicos?
Não!
E nossos medos?
E nossas dúvidas?
E as nossas fraquezas todas?
Não!
Nosso Deus é que é Maravilhoso.
Sofremos a enfermidade do pecado.
Muitos de nós construimos em nossa mente, os muros que nos protegiam,
mas que nos aprisionavam.
Pecado maldito!
Quis nos afastar do nosso Deus.
Não conseguiu.
Louvado seja o Senhor por isto!
O amor de Deus frustrou os planos do inimigo irado.
Podemos ainda nos sentir impotentes e frágeis.
Mas nos entregamos.
Sabemos que o valor desta entrega começou Nele.
Estamos indo para Ele.
Cada vez mais, iremos.
Aleluia!

domingo, 15 de novembro de 2009

Olga.

Ano de 2005.
O irmão Valdomiro, um irmão de outra igreja, me ouviu por mais de duas horas a respeito do trabalho hispânico que vinha realizando desde o ano de 1998.
Embora estivesse numa igreja tradicional, as experiências me levaram a crer em um Deus de milagres.
A mão do Senhor estava comigo e com os quatro irmãos que me acompanhavam.
Conversões e outros milagres, tivemos a honra de ser usados na obra.
Uma parente do irmão Valdomiro estava internada na Santa Casa, desenganada pela junta médica.
Olga estava lutando por dois longos anos contra uma infecção hospitalar.
Havia operado o coração e aquele corte no peito não cicatrizava, a carne meio apodrecida não colava e estava coberta com uma telinha.
Conversando comigo, este irmão me pediu para irmos ao hospital e orar por sua parente.
Combinamos para o dia seguinte.
Entramos naquele quarto; a mulher, magra, 53 anos, aparência macilenta; católica, crucifixo a mão.
Depois de ser apresentado, relatei um breve testemunho pessoal e pedi-lhe permissão para orar.
Ungi aquela mulher com óleo, coloquei a mão sobre aquele corte e pedi ao Senhor Jesus que a curasse.
O marido de Olga estava ali, e alcoolizado zombava de nós, estava amargurado.
Passaram-se três meses.
Num domingo pela manhã, mandaram me chamar à porta da igreja.
Valdomiro, Olga e Alcides me esperavam.
Olga estava ali, bem vestida, boa aparência, sorridente.
De momento confesso que não a reconheci.
Nada lembrava aquela figura sofrida e sem esperanças no leito de dor.
Estava ali.
Olga veio ao meu encontro, me abraçou e chorou; chorei também.
Ela me disse que quando saimos do hospital seu peito queimava, percebeu que o corte estava secando, e foi se fechando a cada dia; três dias.
Ela contou aos doutores o que os crentes fizeram.
Os médicos, incrédulos, não chegavam a nenhuma conclusão.
Pela lógica, os tecidos deveriam enfraquecer-se e não se restabelecer.
Não tinham explicação, a mulher estava sã, deram-lhe alta.
Jesus a curou. Aleluia!
Olga estava ali para agradecer, e mais, seu esposo Alcides queria se desculpar.
Naquele dia, no hospital, tinha bebido, estava triste por viver naquela espectativa da morte de sua esposa.
Alcides zombou de nós, mas vendo a cura milagrosa de sua esposa não teve dúvidas, quiz pertencer também a este Maravilhoso Deus.
Olga e Alcides agora servem ao Deus verdadeiro, foram batizados e frequentam a igreja do irmão Valdomiro.
Valdomiro era só alegria, nos despedimos com a fé revigorada.
O Senhor Jesus é Maravilhoso, e nos conduz por caminhos surpreendentes.
Seguro e inabalável segue Deus em seus objetivos.
Glória a Deus!

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Cantinho da bagunça.

O Senhor nos faz a proposta.
Ele quer nossa permissão para arrumar a bagunça que existe em nós.
Muitas vezes, inconscientes ou não, relutamos em dar nossa permissão.
Ele quer o nosso espírito desarmado das resistências que O impedem de fazer as mudanças.
Devemos querer, devemos confiar em Deus.
Para arrumar a bagunça, o Senhor tem que mexer em todos os cantos da nossa vida, e vezes sem conta não estamos bem certos se queremos, não estamos dispostos a lidar com a montanha de porcarias.
A maior parte do tempo adiamos o que precisa ser ajeitado agora.
Temos que permitir a retirada do que não presta, coisas que nos apegamos e que nos impedem de dar lugar as de Deus.
Todos temos em nosso íntimo o cantinho da bagunça, onde armazenamos um bocado de tranqueiras, coisas que nos agarramos e que se acumulam; peso morto, nada mais.
Deus quer nos ajudar na limpeza.
Não podemos permitir que nosso medo impeça o Senhor de se livrar do que nos impede de caminhar sem o fardo das mágoas e lembranças mortas que insistem em ressuscitar.
Nossas razões e argumentos ainda tentam se apegar as pequenas coisas.
Temos que dar liberdade ao Senhor para que Ele nos ajude.
Nosso Amigo verdadeiro espera.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

SIÃO.

Os que confiam no Senhor são atingidos, sofrem,
mas não são abalados na sua fé.
Permanecem firmados,
naquele que fez as promessas.
Sabem o quanto vale esperar em Deus.
Tenho a esperança do Senhor.
O caminho pode ser distante e difícil.
Meu corpo está ferido.
As artimanhas do inimigo me esfolaram,
muitas dores me causaram,
mas prossigo.
Sião, estará inda longe?
Seguirei nos caminhos desta vida.
Mas ao final da jornada chegarei ao Monte Sião.
Ali beberei das fontes do Monte Santo.
E enfim, abrigado e seguro, descansarei. Aleluia!